no eres todo para siempre
Um dia ♥

Talvez uma das coisas que mais sinto falta nesse momento é do seu sorriso, da forma que você sorria, toda vez que tentava contar uma piada boba. Talvez eu devesse segurar um pedaço seu aqui comigo, de repente teria sido mais fácil, ter que reviver tudo de novo, é isso que acontece quando estou com um pedaço de você aqui comigo.
Queria descobrir o que anda fazendo, onde está, como você está. Por que depois do adeus muita coisa mudou, os filmes de ação perderam graça, fazer almoço de domingo já não tem sentido, mal entro no escritório, ainda tenho os vídeos que você gravava pra depois sair mostrando pra todo mundo, aquelas gravações que tinham momentos de felicidade.
Você tinha que gravar eu limpando a casa dançando “Your Love” da Nicole Scherzinger e a pior parte, mostrar pra todos seus amigos. Você tinha o dom de me deixar tímida na frente dos outros, algumas amigas chegaram a dizer que você ofuscava minha personalidade, mas era bom ver você sorrindo, feliz.
Entrei na sua vida meio que de repente, com um “oi” tudo mudou, você acabou se tornando meu circo, onde poderia fazer toda palhaçada, toda bobice, que você continuaria ali, rindo, compartilhando, gravando tudo que acontecia. Eu devia apagar tudo, afinal são seus trabalhos não tem por que ficar comigo, se continuar aqui, vou acabar enlouquecendo, cada vídeo tem uma risada sua, um olhar, um enigma, uma decepção, um deslumbre. Cadê você?
Ninguém disse que seria fácil, quer dizer, ninguém disse que isso pudesse acontecer, era quase impossível, num impulso era como se eu tivesse deixado você ir, sem fazer nenhum esforço, como se eu não pudesse implorar pra você ficar, de nada adiantaria, você estava decidido a partir. Não poderia negar, era seu sonho, sua vida, seu objetivo, eu entrei na sua vida sem a certeza de que seria para sempre. Talvez a gente se esbarre por ai, talvez eu te veja e acene, talvez não nos encontremos mais. São tantas incertezas e talvez, talvez mesmo isso um dia possa mudar.
Mas passo os dias esperando que você nunca se esqueça que corações não são feitas de papéis. Que sonhos não são dispersos ao vento, que o amor não morre de um dia pra noite. E que esse sentimento permanecem aqui, um dia, quem sabe, quando voltar, eu possa dizer: “Ainda bem que você veio pra buscar um pedaço seu e ser meu por completo”



Remember

Entro na casa, vejo a sala toda vazia, silenciosa, passo pelo corredor e o quarto está a meia-luz, passo pelo quarto, sento perto da janela, o céu continua lindo, continua intenso, na escuridão das casas, ao céu iluminado.
Fazia tempo que não olhava para elas, talvez por que eu acreditasse que nada seria diferente depois de tudo.
Abro a janela, o vento sopra em meu rosto, suspiro. Ficar todo aquele tempo sozinha tentando lutar contra algo que era maior que eu mesma e que seria impossível vencer.
Mas tudo me conforta quando fecho os olhos e lembro do seu sorriso e automaticamente sorrio junto, seu sorriso era irresistível. Mesmo abrindo meus olhos com a sua imagem sumindo, eu sinto sua presença, todos os dias que acordo e não te vejo na cama, quando estou no sofá vendo algum filme e percebo que o sofá está vazio, sem aqueles seus pés frio procurando alguma parte do meu corpo quente.
Me levanto, fico parada no corredor, por um segundo acredito que você está ali, me abraçando.
Depois de tanto tempo, seria possível me apaixonar novamente por você?
Querer estar novamente ao seu lado, lutando pra que tudo voltasse realmente ser como era antes?
Me questiono todos os dias “por que deixei você ir?”. Corri atrás dos meus sonhos, percorri o mundo todo, ajudei desconhecidos, retribuí sorrisos, chorei por estar longe, quando mais precisei de você, a onde estava você?
Seria demais pedir para que você ficasse aqui comigo, por uma única noite?
Nossos planos malucos, nossas programações, nossas idéias sem cabimento. Nada faz sentido quando faço isso sozinha.
Discutir na frente do espelho, antes ficávamos horas e horas entre “tapas e beijos” só por que queríamos ficar perto um do outro. Lembro-me quando você foi se aventurar nesse mundo e eu fiquei aqui te esperando, na certeza que você voltaria para os meus braços e você chegou.
Mas… Algo mudou, não foi eu, não foi você, não sei… De uma hora pra outra tudo desandou, você gritou comigo, eu gritei com você, meus pensamentos ficaram todos embaralhados, disse coisas horríveis. Perdão.
E eu continuo confusa, toda vez que te vejo, não resisto, preciso estar perto de você, mas alguma força me leva longe de você. Como gostaria por uma últimas vez, um abraço seu quando estiver embargada de lágrimas de dores só minhas, de um beijo na testa como simples gesto de “ei, vai dar certo”, de você me fazendo rir ou de me fazer ficar brava e te irritar só por que você me provocou. Trocar olhares, por que essa linguagem excede qualquer explicação, só duas pessoas entendem, só elas sabem o que se passa na mente quando se olham. Queria ter você apenas por uma única vez. Só pra lembrar como é amar você.



Eu me coloquei diante do espelho e vi aquele mesmo rosto, mesmos olhos, mesmo batom vermelho, mesma forma de amarrar os cabelos, mas atrás de mim aparece a sua imagem, você me me abraça, mas não é a mesma coisa, você desaparece e junto com você vai meus pensamentos, será que poderia ser real? Você simplesmente pegou tudo, tudo, simplesmente tudo.
Você levou memórias, alegrias, momentos, amor, carinho, sentimentos, sua mala e se foi. Gone.
- Me abraça, pela última vez? - Disse esperando que você viesse até a mim, que você voltasse, que eu voltasse pros seus braços.
- Adeus. Não me leve a mal. - Você apenas se virou e foi desaparecendo lentamente na escuridão da noite.
Eu poderia ter ido atrás de você, mas nada faria você voltar, Tudo acabou. Amor, principalmente.
E havia um recado seu, pendurado na geladeira, costume que nunca vai deixar de ser seu.
"Um presente te aguarda. Vá até o quarto. Totalmente seu R."
Fui até o quarto e lá havia uma caixa, dentro da caixa haviam alguns chocolates e acompanhava um papel “para sua noite”, ao lado uma miniatura do perfume que ele usava acompanhada de um papel “para sua lembrança” e ao lado uma foto nossa e no verso estava escrito “para nossas histórias”. Guardei a caixa, mas voltei, havia esquecido os chocolates, guardei a caixa para que nunca mais fosse vista.
Depois daquela noite muitas coisas mudaram, muitas coisas deixaram de acontecer, te vi passar pela rua, umas duas vezes, mas já foram suficientes pra achar que tudo desmonaria como naquela noite.
Já havia se passado 2 anos, decidi me mudar, começar uma vida nova, cidade nova, gente nova, guardando as coisas dentro das caixas, achei escondido no fundo do guarda-roupa uma caixa amarelada, lá estava sua miniatura e nossa foto, coloquei dentro da caixa e lacrei.
Não havia mais sinais de você, não deveria haver, você seguiu em frente e por que eu não poderia?
Eis que se passaram mais 2 anos, era aniversário da minha irmã, tive que voltar para a cidade, reencontrar alguns amigos, familiares, estava tudo tão lindo, tudo tão sereno, estava juntamente com alguns amigos, me virei por um instante pra olhar para o céu que de nublado foi ao seu limpo, apenas sorri, o dia estava sendo maravilhosamente linda.
Me virei novamente e vi você entrar, a barba por fazer, aquele estilo alternativo, avistou minha irmã e a abraçou como se a irmã fosse dele, lhe entregou o presente, minhas mãos se tornaram escorregadias e fez com que a taça caísse e se quebrasse em milhares de pedaços, assim como se encontrava meu coração naquele momento, desmontados pelas lembranças.
Ele me olhou, todos me olharam, não pude conter a minha vergonha, abaixei a cabeça e fui pra onde eu pudesse me tornar mais invisível possível.
- Ei! - Ouvi uma voz me gritar.
Apenas parei, minhas pernas estavam bambas, meu coração acelerado e minha boca seca.
- Ei! Você tá bem? - Disse segurando em meus ombros.
- Sim, estou. Você sabe, sou toda delicada. - Disse ainda de costas pra ele. - Tá tudo bem tá?
Saí andando fazendo com que aquele perfume saísse de perto não me fizesse relembrar de coisas.
- Ei! - saiu correndo atrás de mim.
Ele apareceu na minha frente, levantou meu rosto e nossos olhos se encontraram, como aquilo me fazia ficar perdida, era inevitável que meus olhos aguentassem tantos anos de saudade.
- Não faz isso, por favor, por você, não chore. - Limpava meu rosto.
O que ele ainda tava fazendo ali?
- Fala comigo, não me deixa aqui falando sozinho!
- Senti saudades. - Disse querendo que tudo acabasse.
Ele me abraçou e eu fiquei paralisada
- Eu… Eu também sinto.
- Não, não sente. Você não sabe o que é sentir saudades.
Saí andando, apertei os passos, quando vi já estava correndo, entrei dentro do carro, tranquei tudo, me desmontei e ele estava batendo na janela e tudo que pude ouvir foi:
- A caixa, olha a caixa. Por favor.
Não falei com mais ninguém, cheguei em casa e fui correndo atrás da caixa, sentei no chão do quarto e percebi, só agora, depois de 4 anos vi que a caixa tinha um fundo falso. E ali havia sido guardada uma carta.
"Meu amor, escrevo essa carta, por que sei que não terei coragem de dizer olhando em seus olhos que me penetram todas as vezes que a olho, está sendo mais difícil pra mim, acredite, desde já sinto saudades de nós, de quando você ficava lendo livro na cama me esperando enquanto eu estava trabalhando e quando chegava te encontrava dormindo ainda de óculos e com o livro aberto do seu lado. Da forma com que você não tinha paciência de brigar comigo, ou até mesmo quando você tenta disfarçar o ciúmes dizendo "ta tudo bem, é só que sei lá não tô bem", das mil maneiras que você tenta reagir a uma notícia boa ou algo engraçado, sua risada ainda me assusta, mas mesmo com sua risada, você sorri de uma forma tão singular, tão você, não sei como estou fazendo isso, te deixando, deixando com que um outro entre em meu lugar, espero que você consiga ler essa carta, como explicação, mesmo que pra você agora não faça sentido ter alguma explicação. Estou indo embora, estou seguindo minha vida por que acredito que você não está mais feliz comigo, que não existe mais motivos pra eu estar com você, eu não posso estar com você, existe uma barreira, eu criei isso, eu criei essa barreira, você me deu todo seu amor, me desculpe, depois descobri o que era amar uma pessoa, amei você, amei você como você me amava, estava feliz por conseguir retribuir todo esse amor que você despejou, mas ainda era eu, aquele cara engraçado, que não chorava em público, que nunca demonstrava quando estava mal, mas você sabe que eu escondo um segredo e não tenho tanto tempo assim, preciso melhorar, mas longe de você, não quero te ver sofrer por mim, por essa causa. Estou indo embora sem explicação, por que vai ser menos dolorido, do que me ver morrer aos poucos. Esse sou eu, foi por esse cara insensível e com atitudes rudes que você se apaixonou, não foi? Não deixe de me amar, por que um dia desses a gente vai se encontrar e eu continuarei te amando, assim como eu te amo hoje, agora, não irei te procurar, o destino fez com que você viesse a mim e ele vai fazer com que eu volte pra você. Com amor. R. PS eu realmente te amo."
Meu coração estava apertado, estava sangrando.
- Eu te amo. - O sussurro da sua voz ecuou em meus ouvidos.
- Eu te amo. - Respondi com toda ternura.



Is you

No visor do celular um número diferente me ligava, na verdade, antigamente costumava ter seu nome acompanhado de corações. Eu consegui mais uma vez desapontar a mim mesma mais uma vez. Como se não fosse bastante ter te perdido por 3 anos, agora eu faço as mesmas loucuras, mas é que dessa vez não tem haver com você ficar, mas sim de eu amar você.
O sofá parece ser enorme, me encolho no canto, evito te atender, seguindo tem mensagens tuas, quanto mais você me procura, mais quero me esconder. Por que você faz isso? Por que comigo, seria mais fácil de ouvir de você que iria embora por motivos banais.
Me deixei levar pelo seu sorriso delicado, pelo teu tom de voz suave, da sua serenidade, da forma que você me olhava, da forma que você me beijava. Beijos que não pertencem a mim, nunca pertenceu. Aliás, saiba que meu coração se partiu ao saber que não era eu. Eu preciso de um tempo, tempo… Faz tempo que não somos o que éramos a 6 anos atrás, eu era ingenua, eu procurava entender, hoje eu só procuro desentender.
E isso me faz corroer, te procurar faz minha mente ficar a mil, sinto ódio, sinto raiva, sinto amor.
"Não é você". Não, não sou eu, desde o princípio soube disso. Afinal, o que seria do meu amor, caso tivesse me entregado inteiramente pra você. Eu fiz isso e você simpleste e indiretamente diz: "vá embora, devemos seguir em frente", como se nada daquilo fosse real pra você.
E cada vez que te olho, você cria uma barreira invisível de sentimentos, como se fóssemos nada. E cada vez que olho, vejo as razões pelas quais deixei tudo por subentendido. Queria que você entendesse o meu amor.
Mas já posso ouvir você dizer: “Olha, eu não sou pra você, tenta entender isso.”
E essa ligações são intermináveis, só quero que você entenda uma coisa: Demorou, demorou 6 anos, mas eu sei que é você.



Never end.

Era um dia normal, eu costumava pegar a mesma carona, indo embora com os mesmos amigos, aqueles que cantavam desesperadamente dentro do carro, onde eu apenas ria ou cantava junto, com eles não havia tempo ruim ou tristeza aparente, tudo isso, toda negatividade desaparecia ao encontro deles.
Mas era você, era em você que minha mente se conturbava, num turbilhão de hipóteses e você nesse seu mundo singular.
Estava esperando você chegar com o carro, na frente já havia alguém, entrei na parte de trás e ali me confortei num frenesi de alegria, felicidade, paz.
Então combinamos, iriam todos pra minha casa pra jantar, era estranho, você aceitou. Pedi seu celular emprestado e novamente foi estranho, você me emprestou.
Tomei um susto, você tinha uma foto nossa como fundo do celular, fingi que não vi, liguei pra pizzaria e já deixei tudo reservado. Você apenas me observava de canto pelo retrovisor, era diferente fazer nossos olhares se encontrarem novamente, você novamente, na minha vida, no meu coração.
Você me deixou primeiro, apenas entrei em casa sem olhar pra trás, olhar pra trás significava que eu estava completamente envolta com você.
A noite chegou, eu naquele meu jeito esculachado, praticamente de pijama, aquela noite estava fresca, a galera começou a chegar e estava tudo pronto, sucos, sorvetes, pipocas, pizzas e nada de você chegar.
Começou a chover.
- Ele não vem amiga. - disse T. com uma voz doce.
- Como se a noite fosse ficar mais interessante com ele. - disse JS com um tom irônico.
- Hei! - disse rindo
- Deixa quieto, ela não sabe ser delicada. -
J. tinha razão.
Em meio de tanta mímica, video game, banco imobiliário a chuva caía num constante ritmo.
- Seu celular tá tocando. - L. olhou visor do meu celular.
Era como se tivesse prevendo: “desculpa, não vai dar pra eu ir tá?”
Mesmo assim atendi, mesmo sabendo que a descepção poderia ser evitada.
- Alô?
- Ah, oi.
- […] Oi. - Não estava conseguindo entender o ritmo monótono que nossa conversa continuava.
- Abre?!
- O quê? - Lentidão era meu sobrenome
- Portão
- Hãn? - Era inevitável ter essa conversa monosílaba.
- O portão Amanda, abre o portão!!!!!!!!!! - A. deu um grito de impaciência.
Chegando no portão vi aquele corpo todo molhado esperando pra que eu abrisse o portão, ele estava entrando num lugar onde ele poderia chamar de lar.
- Desculpa a demora. - Sorri de canto.
- Essa sua lentidão me irrita. - A. parecia realmente irritado.
- Olha eu fiz um convite, mas você não é obrigado ficar aqui não tá? Pode ir embora! - Aquele jeito dele me irritava
Ele foi entrando e ficou parado na porta.
- Hei mano, tenho roupas aqui, acho que cabem em você. - J. pegou sua bolsa e ofereceu uma camiseta e uma calçã
Acompanhei ele até o banheiro e fui até o quarto pegar uma toalha, o que não era necessário, já que ele sabia o caminho e poderia ir até com os olhos vendados.
- Amanda! - Ele sussurou
- Que foi? - Meu olhos procuravam algum refúgio que não fosse os olhos dele.
Ele pegou minha mão, com a outra levantou meu rosto, nos olhos se encontraram novamente, ele sorri de canto.
- Senti saudades. - Disse ele.
Procurei sair daquela redoma de lembranças. Mas ele foi mais forte que eu me manteve ali, junto dele. O seu corpo estava frio com aquelas roupas molhadas, enquanto meu corpo estava quente no conforto do meu lar. Ele me olhou e disse:
- O que aconteceu com a gente. A gente se encontra, nossos olhos se encontram, mas continua aquele silêncio que atormenta toda vez que estamos perto um do outro, não existe nenhuma ligação hoje em dia.
- Nunca existiu. - Disse num tom irônico.
- Claro que existiu.
- Olha, a galera tá esperando, vamos logo, esse papo vai levar nenhum dos dois num pódium, acabou não é? Pronto. - Disse querendo que tudo aquilo acabasse
Ele soltou minha mão, como soltou a ultima vez, me deixando com que as lembranças tomassem todo meu fôlego, me virei e queria sair dali rapidamente.
- Só acabou tá? Eu que errei, não foi um acumulado de coisas, só fui eu que errei. - tentando deixar claro que eu errei, mas errei por amá-lo demais.
Quando estava saindo pela porta, ele me puxou, nossos olhos se encontraram novamente. Nossos rostos estavam perto demais pra conseguir escapar, ele fechou os olhos e sussurou:
- Podemos recomeçar.
Balancei negativamente a cabeça.
- Podemos sim. - A. estava sorrindo e continuava com os olhos fechados.
Ele simplesmente me beijou, o seus lábios frios encontraram com os meus que estavam quentes, foi um choque, um encontro que havia meses que não acontecia, enquanto ele me beijava, eu encontrei o ato que faltava no meu dia.



Your Body is Wonderland

"Tô te esperando chegar, diz que não vai demorar muito por favor, estou a sua espera"
Mais uma vez, mais uma despedida. Estava cansada, cansada de sempre tentar e você ficar na mesmice de sempre, por que sempre eu tentava melhorar, por que sempre achei que fosse eu, realmente era.
Ouvi sua mensagem de voz já estava quase chegando onde queria, a estrada estava tranquila, queria apenas me jogar no sofá e encontrar um refúgio pra procurar o silêncio.
Ao som de John Mayer estacionei o carro e vi o pastor alemão da casa do meu pai saindo correndo, “miss you” foi a frase mais curta que disse pra receber tamanho carinho, logo aparece meu pai com sua camisa xadrez e sua calça jeans rasgada, com aquele sorriso de canto, que mesmo sem palavras disse: “seja bem-vinda”.
Você continou a me ligar e eu apenas distante disso tudo.
Deixei as malas jogadas no chão, sentir o cheiro das laranjeiras, corri pro meu quarto, minha memória retornou no meu passado, me vi como antes, caminhando de meia nas pontas dos pés, com aquele vestido verde esvoaçante e deitando na cama como se aquele lugar fosse o mais macio. Estava como antes.
"Me retorna por favor, o que aconteceu?"
Já se passaram duas semanas, eu me lembro quando nos conhecemos.
* Mudei de cidade com a minha mãe quando meus pais se separaram, fui na casa de uma amiga da minha mãe, haviam milhares de adolescente, mas um me chamava a atenção, corpo miúdo, cabelo todo enrolado, um estilo único de rir, fazer os outros rir, fiquei na barra da mamãe, até ela me apresentar minha melhor amiga, ela me apresentou você, você tinha uma mania estranha, conseguia penetrar meus olhares vazios, eu só queria minha casa. Meu cachorro…*
Nos víamos todo final de semana, saída com os amigos.
"Hei, estou ficando louco, me liga, é sério, cadê você????"
Atrás da casa do papai havia um lago, na minha festa de 18 anos você apareceu, tímido, sem jeito, você me deixou contemplar seu sorriso encantador, não pude olhar seus olhos por baixo dos óculos escuros, isso me agoniava, não sabia pra onde olhar.
* “Quer ir tomar um café comigo?” Foi a primeira vez que você falou comigo, aceitei, claro. 1º primeiro encontro. “Quer ir ver um filme comigo?” claro que aceitei. *
Lembro quando você me pediu em namoro, mais engraçado que você, deu tudo errado, fala sério!
* Abro o cardápio da pizzaria e vejo o pedido*
Estou deitada olhando pro céu e lembro que estou sem você. Sinto sua falta. Lembra quando perdi meu melhor amigo? Eu evitei falar disso com você, você queria me fazer sorrir, era seu dom e conseguiu, seu safado!!!! Era pra ser sensual?? Não foi amor, mas tá valendo, amo você mesmo assim!
"PELO AMOR DE DEUS, NÃO SEI MAIS O QUE FAZER"
"Me procure onde só podíamos andar nas pontas dos pés"
Você entenderia. Era assim, mesmo namorando meu pai não gostava que você fosse lá, mas nas minhas crises dramáticas, você tirava o tênis e ia pro meu quarto nas pontas dos pés e lá conversávamos a noite toda, desconfio que o papai já soubesse das suas idas.
Ouço seu carro chegar está tocando John Mayer, dou risada sozinha.
Saio correndo, parecendo uma adolescente, descalça e com o vestido balançando. Percebo suas olheiras e você grita "ELA MORA LOGO ALI"
Saio correndo pros seus braços, nunca foi tão gostoso te abraçar.
"Você é louca Amanda!!!!!!!!!!!!!!!"
"Mais louca que você não sou"
"Desculpa, mas demorei muito pra dizer isso"
"O quê?"
"Eu te amo"
Eu nunca havia pedido pra ele repetir tantas vezes essas 7 letras.
Hei, desculpa, mas tive que vim pra cá, pra descobrir por que havia me apaixonado por você, na loucura da nossa rotina me esqueci do por quê, hoje descobri e prometo estar e amar você até quando puder.
Mesmo você sendo assim, meio nojinho, eu amo você.
Vamos embora?



Desencontro.

E eu acordei perdida, perdida imersa debaixo do edredom, onde tudo parecia quieto e sereno, mas o turbilhão dos meus pensamentos me atormentaram a noite inteira, madrugada à dentro, já são 5 horas e ainda não sei o que vou fazer no dia, já não acordo com seus beijos e muito menos com seu corpo me abraçando. Não sentarei mais na mesa vendo você cozinhar logo pela manhã e ficar todo preocupado se aquele omelete vai ser suficiente pra sustentar meu dia.
Não sentarei na frente do computador no escritório só vestindo sua camisa e ler os e-mails e também não ficarei observando com detalhes os porta-retratos que estavam espalhados pelo escritório ou pela casa.
Ainda sobrou uma camisa sua, uma xadrez azul, ainda te vejo, usando aquela calça rasgada e aquela regata com a camisa xadrez amarrada na cintura, por que você continua tão vivo em minhaa mente?
E ai eu fico novamente perdida, eu deveria ter pedido pra você ficar, mas meu orgulho feriu tudo isso, mas nós dois erramos, deixamos tudo que foi vivido desaparecer enquanto atravessamos o túnel. Todos aqueles planos que você me convenceu a fazer junto com voce, aquele mapa que continua no escritório demarcados os países por onde você pretendia viajar, onde pretendia marcar. Não conseguimos chegar tão longe, mas ainda peço socorro, peço por que sei que você irá me salvar.
Te vi no mercado, estava com um outro alguém, meu coração de imediato disparou, houve uma vontade enorme de largar tudo e entrar dentro do carro e ir embora, mas foi inevitável… Nossos olhos se cruzaram e eu senti um frio percorrer por todo meu corpo, senti toda sensação, tudo. Foi tão difícil olhar novamente em seus olhos e tentar encontrar um refúgio, mas você simplesmente ficou parado na minha frente, nenhuma reação, nenhum sorriso, você apenas tentava entrar na minha mente com seu olhar, por um momento desviei o olhar e percebi que ao lado estava seu novo amor.
Dai percebi o quanto estava diferente, a barba feita, o cabelo penteado, roupas bem vestidas, realmente você havia mudado. Você me observou da cabeça aos pés, percebeu que eu estava usando sua camisa xadrez e uma calça preta que você derrubou café quente, você riu baixo, você apenas me olhou e disse: Acho que você deveria deixar sua franja crescer, gosto dele.
Sua voz ecoava na minha mente e em meu coração, a sua voz me aquecia quando aquele apartamento parecia estar congelante. Querido, apenas quero que saiba que amo você, tanto faz seja agora todo certinho ou quando você desfilava pela casa com a barba mal feita, com o cabelo todo arrepiado e com suas camisas rasgadas. Uma hora tive que deixar você ir. Ah!!! Por sinal, deixei minha franja crescer.
PS LI SEU E-MAIL. NÃO SEI O QUE DIZER. MAS QUERO QUE SAIBA QUE EU AMO VOCÊ.



I see

Naquela duvida cruel, de repente me vi, em uma via que antes era de mão única, virando uma via de mão dupla. Dois caminhos distintos, dois caminhos opostos, opostos um do outro, um oposto de mim e foi ai que me vi perdida e desorientada…

E eu vi, me vi confusa, passando madrugada acordada esperando receber sinais dessas vias, mas não obtive de nenhuma das duas, experimentei das duas. 

E foi dificil admitir que de repente uma das vias, uma via que conheço a 5 anos, foi a que tem me conquistado cada dia mais, tem me tirado a direção, a noção do tempo, da saudade e olhar pra trás e ver o tempo que perdi, o tempo que não consegui aproveitar, Uma via que hoje não sei mais se é possível retornar a ser como era antes, uma via que servia como uma mão amiga, uma mão quando eu estava debilitada, pois hoje o único remédio que pode me curar dessa via é ela mesma.



Sad

Talvez deveria te dizer que a forma com que você sorri é a coisa mais fascinante de ver ou até dizer que seu jeito de olhar as coisas tornam que tudo fique numa vibe positiva ou até mesmo dizer o por que você me conquistou.
Eu não deveria, até por que não sei exatamente por que, só sei que você é meu oposto, nunca te vi chorar, ou até mesmo nunca te vi com a feição abatida, você sempre teve uma expressão inabalável obvio completamente diferente, não consigo reprimir sentimentos e sensações que me deixam mal ou triste.
Você está insensível, está aproveitando sua vida, dentre seus defeitos, talvez seja essa ou talvez por não termos algo mais intenso não te conheça tão bem. Me diga, por que?
Eu diferente sou uma das mais sensíveis, tento entender por que você? Por que? Mas você transcende qualquer insensibilidade, sua generosidade, bondade, alegria e até mesmo sua feição inabalável faz com que tudo em você torne algo de bom.
E sim amigo, não é sua obrigação me chamar pra tomar um café ou tentar me fazer sentir especial, até por que se não houver sinceridade de nada valerá a pena, não é mesmo? E concordo com você, não é de sua obrigação vir atrás e por que seria né?
Mas existem coisas que me tem deixado ao extremo da angústia, desde sempre tenho o anseio de resolver coisas que não são resolvidas na minha vida, talvez de alguma forma, sua serena forma de resolver tudo, me fez sentir isso, sentir algo por você, foi sentir algo sereno e tão tranquilo, nada de ansiedades e de alvoroço, oposto.
Tudo tem sido difícil admitir algumas coisas, e acredito isso não é uma indireta, mas toda vez que olho nos seus olhos (ou quando tento) eu sinto que tudo que eu esperava de você era um simples abraço.
Não sei se você se lembra, mas teve um dia, que você fez uma das suas loucuras (espero que você não faça isso com tanta frequencia) e me fez sorrir num momento difícil que até eu mesma desacreditei que era possível esquecer de coisas tristes, você foi possível de fazer isso, até mesmo me fazer achar graça de entrar numa Igreja e assistir 3 vezes a missa, coisas simples que bem provável que não seja relevante pra você. Coisas tão simples que quando foram acumuladas, só me fizeram ver seu lado bom, seu lado que exala bondade. Me diz, por que você? Tenho uma foto com você, ninguém soube da existência dela, nem deveria, foi algo tão espontâneo, eu tentando me livrar disso, por que sei que tudo que você é, quem é você, não pertence a mim.



1 2 3 4 5 6 7 8 9 »

no es no eres



Como seria fácil se eu fechasse os olhos e tudo virasse fumaça só a lembrança do aroma, mas esquecer a dor, o sofrimento, talvez você entenda o quanto lutei, mas parece ter sido em vão pra ti, ô querido, um dia, talvez, entenderá o quanto foi importante pra minha vida ouvir você dizer que também queria estar ao meu lado. Amanda Lorenzzi